A sustentabilidade financeira consiste em administrar da melhor forma possível todos os recursos financeiros disponíveis. Sem dúvida alguma, é de extrema importância para as empresas, afinal de contas, não tem como manter um negócio funcionando se ele dá prejuízo constantemente.

Nesse sentido, você não pode se esquecer de um conceito básico: não gaste mais do que a receita. As empresas que fazem investimentos acima de sua capacidade, ou seja, maiores do que as receitas, podem não conseguir o retorno esperado e, mais tarde, isso acarretará prejuízos. Isso pode parecer um conceito simples, no entanto, muitos empresários erram nesse ponto e prejudicam a saúde financeira do negócio.

Realmente esse conceito é muito importante, não é mesmo? Pensando nisso, neste post explicaremos como você pode analisar o grau de sustentabilidade da sua empresa e forneceremos dicas que ajudarão a sua companhia a melhorar a saúde financeira. Continue lendo!

Como analisar o grau de sustentabilidade financeira?

A análise do grau de sustentabilidade financeira é importante para as empresas saberem como está a saúde das finanças. A partir dessas métricas é possível desenvolver ações com a intenção de corrigir falhas no departamento financeiro ou pensar em medidas para aumentar os lucros. Na sequência, abordaremos os principais indicadores. Confira!

Indicadores de rentabilidade

As métricas de rentabilidade possibilitam o conhecimento dos lucros das empresas comparado com o nível de vendas, ativos e investimentos. Devido às suas características, esses indicadores são muito úteis à comparação do desempenho das companhias em diferentes períodos.

O primeiro indicador é a margem operacional. Essa média é dada em porcentagem e determina cada real de venda restante após o desconto de todas as despesas, com exceção do Imposto de Renda. Dessa forma, para calculá-lo basta dividir o resultado operacional pela receita líquida das vendas. Uma empresa com margem operacional de 10%, por exemplo, ganhou R$ 10,00 a cada R$ 100,00 vendidos.

Outra métrica utilizada nesse sentido é a margem EBITDA. Ela é uma aproximação do impacto das vendas no caixa da empresa. A sigla vem da expressão em inglês que significa “lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização”.

Indicadores de liquidez

As empresas com boa liquidez apresentam elevada capacidade de cumprir todas as suas obrigações, mesmo as de curto prazo, na data de vencimento. Dessa forma, elas não precisarão se preocupar com pagamento de juros e multas.

O principal indicador nesse sentido é o de liquidez corrente. Ele mostra o quanto a companhia tem a receber em curto prazo, em relação ao que deve ser pago no mesmo período. Para fazer o cálculo do índice é necessário apenas dividir o ativo circulante (receitas ou contas a receber) pelo passivo circulante (despesas). Caso o índice esteja acima de 1, significa que a companhia não terá problemas em cumprir com as suas obrigações financeiras.

Indicadores de atividade

Esses indicadores medem a rapidez com a qual as contas das empresas são transformadas em vendas ou caixa. O principal indicador utilizado é o giro de caixa. Ele mede o quanto de dinheiro proveniente de vendas da empresa é utilizado de maneira rápida com a intenção de financiar as atividades. Na maioria das vezes, quando giro de caixa é alto, a liquidez da companhia costuma ser baixa.

Como alcançar a sustentabilidade financeira?

Por meio de algumas ações é possível alcançar a sustentabilidade financeira e garantir a permanência do seu negócio no mercado. Entre as principais práticas estão a redução do consumo, contar com uma reserva financeira e o controle das finanças. Abordaremos esses pontos a seguir. Continue lendo!

Manter um bom controle financeiro

Antes de tudo, é necessário fazer um orçamento para a sua empresa. Por meio dele será possível conhecer todas as receitas e gastos da companhia. No momento de elaborar o documento, não se esqueça de colocar todas as fontes de receitas (vendas de produtos ou serviços) e despesas (pagamentos de funcionários e fornecedores, impostos, gasto com matéria-prima, entre outras).

Essa prática ajudará você a ter o controle e saber para onde está indo o seu dinheiro. Esse conhecimento possibilita um melhor direcionamento dos recursos disponíveis. Além disso, a sua companhia saberá o quanto pode gastar ou investir e, com isso, não entrará em dívidas.

Reduzir os gastos

Como destacamos anteriormente, o primeiro passo é conhecer os rendimentos mensais e as despesas. Com essas informações, você saberá o quanto pode gastar durante um mês e a quantia que deverá ser guardada regularmente, seja para usar como capital de giro ou fazer novos investimentos.

A partir do conhecimento do orçamento mensal, crie uma lista de itens que são realmente necessários para a sobrevivência da empresa. Dessa forma, você faz apenas os investimentos necessários e evita acumular despesas desnecessárias.

Ter uma reserva financeira

Isso é fundamental principalmente no início dos empreendimentos, pois várias empresas, especialmente nos primeiros meses, não são altamente lucrativas. Essa situação pode acontecer porque a companhia não conhece totalmente o setor em que atua, nem as necessidades dos consumidores, além de não ter uma marca fortalecida no mercado. É necessário tempo para construir uma imagem positiva e se relacionar bem com os clientes.

Dessa forma, a reserva de emergência ajudará você a manter os investimentos na sua empresa e a pensar em estratégias que possam ajudar a companhia a crescer no mercado e, consequentemente, aumentar as receitas. Por isso, procure criar a sua reserva baseada nos seus gastos mensais multiplicado-os por 6. Com essa prática, você terá mais segurança financeira. Caso gaste R$3.000,00 por mês, a quantia para uma boa reserva seria de R$18.000,00.

Controle de pagamentos e cobranças

Por último, mas não menos importante, é fundamental contar com uma ferramenta de controle de pagamentos e cobranças. Elas ajudarão a sua empresa a ter controle sobre as contas a receber e, assim, identificar os clientes que pagam em dia e os inadimplentes.

A plataforma apresenta a vantagem de possibilitar aos empreendedores o recebimento de pagamentos via boleto bancário com segurança, comodidade e sem burocracia. O emissor (pode ser pessoa física ou jurídica) acessa o sistema, faz o cadastro dos clientes, emite os documentos e entrega aos consumidores.

Um dos principais segredos das empresas de sucesso é a saúde das finanças. Isso garante que as companhias consigam cumprir todas as suas obrigações, apresentem um bom faturamento e façam investimentos sem comprometer o aspecto financeiro.

Outro fator que ajuda a assegurar a sustentabilidade financeira é a definição de meios de pagamento para a sua empresa. Confira nosso artigo com dicas para que possa escolher e oferecer opções vantajosas para você e o consumidor, diminuindo assim a inadimplência do cliente.